Mostrando postagens com marcador Universidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Universidade. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Mais dicas para o Enem

Resultado de imagem para enem

Hoje vou escrever o prometido texto de  dicas para a redação do ENEM. A primeira prova é domingo agora, dia 06/10, mas a redação ainda é na próxima semana, então dá tempo de estudar ainda. Vou falar um pouco sobre introdução, mas antes é preciso ter em mente os requisitos básicos para escrever bem. Já devo ter falado sobre eles no texto anterior, mas nunca é demais relembrar.

Repetindo:é preciso ler muito, ter repertório, saber um pouco de tudo. Conhecimento nunca é demais. É preciso ter informação, estar atualizado e atento com o que está acontecendo. Construir argumentos e se posicionar sobre um tema. Defender seu ponto de vista. Como fazer isso sem saber, sem ter repertório? Não tem como.

Sua introdução deve ser precisa, objetiva, mostrar para que seu texto veio. Não precisa  encher de palavras difíceis. A introdução vai apresentar seu tema ao leitor, a partir dela é que ele vai decidir se vai continuar a ler ou não. Portanto, pense no leitor! O texto deve se desenvolver a partir dessa introdução que também não precisa ser muito grande. Bastam três ou quatro linhas. Escreva sempre períodos curtos, com a utilização de pontos parágrafos. Aprendi a escrever assim há alguns anos e não sei mais fazer períodos muito grandes.

Mas reconheço que é difícil explicar como fazer textos. Na verdade, é questão de praticar mesmo e sentir seu texto melhorar aos poucos. É interessante ler outras redações, como por exemplo as redações de destaque em vestibulares e ENEM anteriores. Isso vai dar uma ideia mais ou menos de como as introduções são feitas.

O importante é ter em mente que a introdução vai mostrar e delimitar em que vai se basear seu texto. Se você começa trazendo dados do IBGE por exemplo, seu texto deve girar em torno daqueles dados. É claro que seu desenvolvimento deve ser um texto rico e não vai parar simplesmente em meros dados, estes devem ser desenvolvidos, argumentados e informações novas podem e devem surgir.

Ah, para finalizar, quero dizer que a introdução pode começar com uma pergunta. Mas não é algo que eu costumo fazer. Acho que a pergunta pode limitar um pouco a própria introdução e até mesmo o texto, mas sabendo fazer, pode. Pode tudo, contanto que o texto seja  bem escrito. Leiam, leiam muito. Vejam como são  as introduções das melhores redações que estão pela internet. 

Volto na semana que vem com mais dicas!


Rafaela Valverde





domingo, 14 de maio de 2017

Pausa nos estudos


Estávamos sentados estudando para as provas finais. Geralmente a universidade ficava bastante agitada nesse período de provas, mas naquele horário a biblioteca estava calma, com poucas pessoas circulando. A sala em que estudávamos estava mais escura que o normal e passou pela minha cabeça que talvez uma das lâmpadas tivesse queimado.

Realmente queria estudar, pois não tinha ido muito bem esse semestre. Ele porém, não parecia muito interessado nos textos. Foi enfiando a mão embaixo da minha saia, o que eu prontamente reivindiquei. Estávamos em um lugar público. E daí, ele disse. Ninguém tá vendo, disse em seguida. Realmente sua mão estava por debaixo da mesa e não dava para quem tivesse de longe ver nada.

Deixei sua mão ali. Ela era macia, firme e delicada ao mesmo tempo. Não sei como isso era possível mas era. Ele sabia me masturbar deliciosamente bem. Ia massageando meu clitóris e eu ia ficando cada vez mais molhada com aquela mão familiar em mim. Nunca tínhamos feito nada assim em público e eu percebia em seu rosto que ele estava se divertindo.

Ele me lançava olhares safados e passava a língua ao redor dos lábios. A essa altura apenas fingíamos que estudávamos. Ninguém estava mais interessado em teoria linguística quando havia um pequeno incêndio acontecendo por ali. Eu sorria e ao mesmo tempo olhava disfarçadamente para os lados. Me surpreendi com minha desfaçatez, não me imaginava sendo assim.

Em um determinado momento da nossa aventura bibliotecária, suspirei alto e recostei na cadeira, desistindo de vez dos textos. Eu já estava perto de gozar e precisava me concentrar. Ele passeava com mais força por dentro de mim, mas uma força precisa que sabia do que eu gostava. Gozei soltando alguns pequenos gemidos e relaxei totalmente. Ele tirou a mão debaixo da minha saia e lambeu os dois dedos que antes estavam dentro de mim.

Arrumamos os materiais impacientemente e corremos para a residência universitária, onde ele morava. Ficava bem perto dali e fomos rápido para manter a chama. Os amassos começaram na porta mesmo, já fui tirando a camisa dele e quando já estávamos na cama, ele levantou minha saia, que era comprida, arrancou minha calcinha e começou a me chupar bem devagar. Uma delícia. Gozamos juntos, com a sensação  de que tínhamos estudado bastante e que criaríamos nossas próprias teorias.



Rafaela Valverde

sexta-feira, 24 de março de 2017

Série Merli


Dois professores me indicaram a série Merlí e eu decidi assistir. Está no Netflix e eu não poderia deixar de dar uma espiada. Especialmente por se tratar de uma série catalã, cuja cultura e língua eu ainda não tinha tido contato e por se tratar de educação e filosofia. Merlí estreou na Catalunha em 2015 e a Netflix comprou os direitos de exibição no Brasil e nos EUA.

Só tem a primeira temporada, mas já quero a segunda! Merlí, professor que dá nome a série é um professor de filosofia nada tradicional. Ele chega à escola causando polêmicas com os outros professores e com os alunos que estranham sua forma de ensinar e agir. Desperta o ódio de alguns e o amor de outros. Um outro detalhe da série é que cada episódio é nomeado com um filósofo ou uma vertente filosófica como os peripatéticos. E nesses episódios com nomes de filósofos, as aulas e as histórias têm influências de certas ideias deles. 

Merlí é pai de Bruno, que também é seu aluno. Bruno é gay mas ainda está no armário. E as histórias vão se desenvolvendo a partir dos dramas dos alunos, da personalidade do professor-protagonista Merlí, que não é nada fácil e a partir de ideias filosóficas também. Vários assuntos são abordados, como conflitos entre pais e filhos, divulgação de vídeos íntimos na internet, bullying, homossexualidade, etc.

É uma série muito bacana. Bem produzida, com boas atuações e aquela gostosíssima língua catalã que inclusive estou estudando na faculdade, já que é uma língua românica, advinda do latim hahaha. É isso, gente, eu gostei bastante e recomendo. Para professores e pessoas normais (rsrsrs). Já que é uma série bastante divertida e dá para aprender alguma coisa sobre filosofia. Recomendo!



Rafaela Valverde

sexta-feira, 10 de março de 2017

Resenha acadêmica de Nove Noites - Bernardo de Carvalho - Parte II


Ora, era justamente a ideia que Bernardo de Carvalho rechaça. Os índios devem ser tratados como gente, como os seres humanos que são. Com seus defeitos e suas virtudes. A ideia que ainda se tem sobre o índio é que além de ele ser passivo, é  oco e superficial.   Índio   não pensa,  índio   só   quer   umas   lembrancinhas  e alguém   que   os defenda. Essa é a ideia paternalista que o livro pretende desbancar. E consegue. O livro passeia por histórias e emoções, o livro vai e vem. E assim será esse texto, ele vagueará pelas histórias  contadas  em   Nove  Noites   e  pelo   mistério que   ronda  o  suicídio   do etnólogo americano.

Dessa forma, há de se falar da morte, da vida, das cartas e de tudo mais que possa ser interessante sobre a vida de Buell Quain. Essa busca pela vida do antropólogo está   diretamente   ligada   à   vida  do   narrador.  A  análise   desse   texto   buscará   ser   tão obsessiva quanto a busca dele. Portanto trechos e parágrafos se vão se misturar e se intercalar para contar essa (s) história (s).

O narrador, depois de adulto, retornou à comunidade dos  Krahô, acompanhado de   um   antropólogo  conhecido.   Ele   conheceu   o   velho   Diniz,   único   membro   da comunidade vivo que conheceu Quain quando ainda era menino. Havia a esperança de que ele falasse sobre local em que o americano havia sido enterrado e outras questões. O velho Diniz mal havia sido apresentado ao jornalista e foi logo pedindo seu gravador. Negando educadamente, ele informa que precisa dele para trabalhar, o índio rebate: “Lá em   São   Paulo   você   compra   um   igualzinho   e   manda   pelo   correio.”   É   um   trecho marcante, pois evidencia o quão os índios são humanos, o quão os índios que moram no Brasil são realmente brasileiros. Enfim comprovam que índio é gente e gosta de todas ascoisas que todas as outras pessoas gostam. O velho Diniz conta que os índios chamavam Buell   de   “Cãmtwýon”,   sendo   logo   questionado   sobre   o   significado.   Mas   não   há significado específico, ao contrário do que se pensa que sejam os nomes indígenas. Mais um estereótipo quebrado. 

Diniz   ainda  conta   que   o   antropólogo   americano  raspou  a   cabeça,   enquanto tomava banho no rio, no dia seguinte à sua chegada: ajudou em um parto, deu nome ao recém-nascido, mas não queria participar de nada. Não se envolvia em nada e passava dias escrevendo, não bebia muito e costumava ouvir música às vezes. Era um homem bastante   reservado.   Diniz   achava   que   ele   havia   enlouquecido   depois   que   recebera algumas cartas. Nessas cartas, que foram queimadas por ele antes de morrer, haveria anotícia de que a mulher o havia traído com o irmão.

Mas   essa   história   não   é   verdadeira.   Há   muitas   contradições   e   versões desencontradas sobre as possíveis causas do seu suicídio. A mãe e a irmã dele afirmam que ele nunca havia sido casado e não tinha irmão. Só irmã, mãe e um pai que eranmédico, mas não muito próximo dele. Há ainda várias hipóteses sobre o momento da sua morte: “foi se cortando todo, ainda de dia, descendo sangue”, depois “queimou dinheiro.” Havia ainda informações sobre ele ter queimado as cartas que recebera, pois elas nunca foram encontradas. Ele teria se cortado no pescoço e nos braços e depois se
enforcado. Enfim, como se vê, não há uma informação só sobre o inesperado caso.

Há relatos que o etnólogo sofria e que estava se cortando (foi questionado nomomento) e ele afirmara que “precisava amenizar o sofrimento, extinguir a sua dorcruciante.” Em geral, as pessoas atribuem o suicídio a sofrimento à depressão e é fácil perceber que o homem tinha picos  de tristeza  e crises existenciais. Ele em  alguns momentos interagia e estava bem. No momento seguinte, porém mudava o seu humor e se trancava.

“Ele se enforcou com a corda da rede num pau grosso, inclinado, quando os índios fugiram,” afirmou o velho Diniz. Pediu que fosse enterrado ali mesmo e seu pedido foi atendido. A sepultura foi marcada com talos de buriti e nenhuma polícia ou outra autoridade foi ao local. Não houve exumação nem abertura de inquérito e nem há registro em nenhum cartório ou fórum.

 A morte de Buell Quain foi esquecida, teve certa repercussão na época, mais entre o meio antropológico, além de ter sido um americano morto em terras Brasileiras. Nem a mãe e a irmã vieram ao Brasil ou solicitaram o envio do corpo. Não. Ele ficou esquecido lá nos confins do norte do Brasil. A colcha de retalhos de informações e especulações sobre esse suicídio nunca foi concluída. As costuras não combinam entres i e sempre há alguma discrepância entre elas. Nunca se chegará a nenhuma conclusão sobre o que teria levado o jovem americano a se matar.

Foi   observado   que   há   algumas   insinuações   sobre   uma   possível homossexualidade   do   etnólogo.   Em   alguns   trechos   das   narrativas   apontam   como estranha a ausência de mulheres na vida dele. Ele não tinha amantes, não olhava para as índias, não era dado a aventuras sexuais, era bastante recluso. Outro ponto que pode ser interpretado como insinuação sobre a sexualidade de Buell seria uma das últimas cartas que ele escreveu ao cunhado, e somente a ele, antes de morrer. Para muitas pessoas poderia passar despercebido, mas não é esse o caso. Há também o fato de ele não se dar bem com o pai, seria um indício?

Em determinados momentos do texto é narrada  a viagem do jornalista, sessenta e  dois anos  depois. Ele mantém  um relacionamento mais  próximo com  os   índios, participa de rituais e reconstrói algumas imagens sobre os indígenas. Pôde ainda sentir um pouco a  sensação de estar próximo aos índios  e pesquisou bastante a vida do antropólogo. Cartas e fotos por exemplo. Em uma carta escrita em 4 de julho, menos de um mês antes de morrer ele escrevia: “Duvido de que em algum outro lugar no mundo existam culturas indígenas tão puras. Mas, a despeito de todas as virtudes do Xingu, gostaria   de deixar   o   Brasil   definitivamente   e   limitar   meu   trabalho   a   regiões.” Ele reclamava das dificuldades de trabalhar com índios brasileiros. “Acredito que isso possa ser atribuído à natureza indisciplinada e invertebrada da própria cultura brasileira.” Ou seja, os indígenas brasileiros, já naquela época não eram passivos como se imagina. E quase nada se alterou na cultura do povo brasileiro.



Continua...


Rafaela Valverde

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Nove Noites - Bernardo de Carvalho

.

Estou mergulhada num livro como há muito tempo não ficava. É claro que a resenha crítica solicitada pelo professor de Literatura Brasileira me impeliu à tal empreitada, mas realmente a leitura desse livro é apaixonante. O livro é  Nove Noites de Bernardo de Carvalho, já tinha ouvido falar no autor, bem por alto, mas nunca havia lido nada dele. Amei essa experiência de ler Nove Noites. Ele traz muitas questões, mas muitas mesmo, sobretudo no que se refere às comunidades indígenas tão estereotipadas por nós.

Há muitas desconstruções. Na verdade, a disciplina é toda de  desconstrução de conceitos bizarros que estão em nossa cabeça desde a tenra infância. Fiquei muito apaixonada por Nove Noites, especificamente. É um livro de ficção e memória como afirmou o próprio autor.  Ele mescla a vida do narrador ou narradores com relatos da vida de Buell Quain, antropólogo americano que se suicidou aso 27 anos enquanto vivia em uma comunidade indígena no Brasil.

Eu escrevi uma resenha crítica, ou seja lá o que for aquilo, de cinco folhas sobre o livro que é genial. Deixa o leitor preso até o final a fim de saber se aquele mistério será resolvido. Pelo menos eu fiquei presa, em alguns momentos fascinada pela história. Mas o livro, que eu carinhosamente chamei de colcha de retalhos, não elucida o suicídio do jovem etnólogo. Sim, vou logo dando spoiler, porque com um livro maravilhoso desse não há spoiler que estrague a leitura.

Por que o americano se matou? Onde está enterrado seu corpo? Onde estão as cartas que ele recebeu pouco antes de morrer? Essas perguntas, entre outras, são deixadas sem resposta no decorrer do livro. Mas o que mais importa é como essas perguntas são feitas. Ainda assim, o final do livro conseguiu ser surpreendente para mim devido a alguns desdobramentos da narrativa. Amei Nove Noites!



Rafaela Valverde

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Na biblioteca


Estávamos ali de novo, nus, no chão da biblioteca da faculdade. Era um setor com poucos livros. Ninguém ia muito para aquele lado, por isso sempre o aproveitávamos. Eram uns livros clássicos e até raros, dicionários de Latim e Grego e até bíblias. Que pecado! Estávamos começando o rala e rola, a coisa ainda estava esquentando. Estava me esfregando nele, num conjunto de sacanagens que é chamado de preliminares, não à toa.

O carpete estava me pinicando, coisa mais estúpida do mundo é carpete. Assim, decidi ficar por cima. Nesse momento vi dois olhos pretos e brilhantes me olhando por detrás dos livros. Me assustei e me desequilibrei, caindo e tombando em uma das estantes que estavam atrás de nós. Por alguns segundos ficamos ali apenas nos olhando, os três. Era uma menina que eu nunca tinha visto na faculdade. Parecia ser caloura. Ela começou a tirar a blusa. Queria entrar na brincadeira. Olhei pra ela com os olhos arregalados, mas não disse nada.

Fiquei parada, mas eles não. Começaram a se beijar e eu ali parada com a cara de tacho olhando. Nunca tinha transado com uma mulher antes, apesar de ter curiosidade. Ela puxou meu braço e me beijou. Bem, não foi tão difícil, nem ruim. Ficava imaginando o resto. Como seria o resto. Nem sabia como funcionava.

O beijo dela era voraz. Ela era bastante fogosa. Que mina estranha, querer transar com um casal desconhecido na biblioteca. Me deixei levar. Acho que a mais estranha era eu. Sua pele era macia,  o hálito refrescante e seu cheiro me deixava louca. Era uma experiência nova. Nós três ali, no escuro, em silêncio. Tateando os corpos que estavam em nossa frente. Tentava  explorar ao máximo aquele momento. E até mesmo o momento que mais temia, o de sentir seu gosto, foi uma delícia.

Nos revesávamos nos momentos de prazer. Que surpresa! Quanta sacanagem ainda era possível naquela faculdade? Aquela dança de corpos continuou por um tempo indefinível. E depois que terminamos, ainda aproveitando o gozo, começamos a rir baixinho, porém em sintonia. Uma sintonia que acabávamos de descobrir.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Funciono melhor trabalhando sozinha


Sempre funcionei melhor sozinha. Não gosto de trabalhar em grupo e até hoje, uma mulher adulta, eu não consigo entender como um professor tem a coragem de passar escritas de texto em grupo. Escrever é um ato individual. Para mim quase todos os atos são individuais. Eu gosto de andar sozinha na rua, sem conversar, assim ando mais rápido. Eu gosto de fazer trabalhos individuais. Eu gosto de criar sozinha. Sem interferências. Todo trabalho que faço individual sai bem mais bem feito.

Claro que por conta dessa solidão voluntária eu  acabo sozinha mesmo. As pessoas me vêem como antissocial ou metida e assim vou vivendo. Eu não sou nada disso, quando trabalho em grupo, trabalho até bem e não tenho problemas de relacionamento, fazendo bons trabalhos. Só que no início demoro um pouco para me enturmar, especialmente se for num grupo que não tenham muitas pessoas conhecidas.

Mas a minha principal dificuldade é conversar com pessoas estranhas. Minha segunda dificuldade é escrever textos de forma coletiva. Como os professores acham que isso pode dar certo? Não acham e não pode. Nossa, então cada um vai mandar um pedaço e algum besta vai emendar a colcha de retalhos.

Eu gosto de silêncio. Eu gosto de estar sozinha em determinados momentos, especialmente quando estou estudando, ou seja maior parte do meu dia. Portanto pessoas por perto às vezes só fazem me atrapalhar. Porque as pessoas conversam o tempo todo. As pessoas falam demais. Eu não aguento isso. Eu adoro os momentos em que fico calada para poupar minha voz. E o povo fica tagarelando, aff. Enfim, eu sou chata. Valorizo meu silêncio, minha paz. Eu funciono melhor sozinha.



Rafaela Valverde

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Hino Nacional - Carlos Drummond de Andrade

Precisamos descobrir o Brasil!
Escondido atrás das florestas,
com a água dos rios no meio,
o Brasil está dormindo, coitado.
Precisamos colonizar o Brasil.

O que faremos importando francesas
muito louras, de pele macia,
alemãs gordas, russas nostálgicas para
garçonnettes dos restaurantes noturnos.
E virão sírias fidelíssimas.
Não convém desprezar as japonesas.

Precisamos educar o Brasil.
Compraremos professores e livros,
assimilaremos finas culturas,
abriremos dancings e subvencionaremos as elites.

Cada brasileiro terá sua casa
com fogão e aquecedor elétricos, piscina,
salão para conferências científicas.
E cuidaremos do Estado Técnico.

Precisamos louvar o Brasil.
Não é só um país sem igual.
Nossas revoluções são bem maiores
do que quaisquer outras; nossos erros também.
E nossas virtudes? A terra das sublimes paixões…
os Amazonas inenarráveis… os incríveis João-Pessoas…

Precisamos adorar o Brasil.
Se bem que seja difícil caber tanto oceano e tanta solidão
no pobre coração já cheio de compromissos…
se bem que seja difícil compreender o que querem esses homens,
por que motivo eles se ajuntaram e qual a razão de seus sofrimentos.

Precisamos, precisamos esquecer o Brasil!
Tão majestoso, tão sem limites, tão despropositado,
ele quer repousar de nossos terríveis carinhos.
O Brasil não nos quer! Está farto de nós!
Nosso Brasil é no outro mundo. Este não é o Brasil.
Nenhum Brasil existe. E acaso existirão os brasileiros?

Carlos Drummond de Andrade


Rafaela Valverde

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Que burra, dá zero pra ela!


Eu hoje estou ouvindo Los Hermanos, minha banda preferida. Eu cheguei e decidi que ouviria a sofrência deles, a poesia deles. Eu cheguei da faculdade depois de uma prova desastrosa, da matéria que está me acabando esse semestre: morfologia. Eu pela primeira vez na minha vida universitária chorei fazendo uma prova, no meio de uma prova.

Chorei e não tenho vergonha de falar. Essa situação toda, a universidade e alguns professores é que deviam se envergonhar de fazerem isso com a gente. Porque sei que não sou só eu sofrendo. Não dá para dizer que não me interessei, que faltei aulas, que não fiz os exercícios, que não li os textos, que não estudei. Não. É impossível dizer isso.

Eu fiz tudo isso. Desde que o semestre começou eu só faltei dois dias de aula e mesmo assim um foi no dia 21/12! Eu estudei esses dias como uma louca. Mas não caiu o que eu estudei, da forma que eu estudei. Os exercícios feitos em sala de aula tinham um nível e a prova teve outro nível completamente diferente. Eu fiquei muito frustrada, me achando incapaz, burra. Fiz até um desabafo no Facebook lamentando essa sensação de fracasso que a gente suporta dia após dia na universidade. O problema  está cada vez maior e mais sério e ninguém se importa.

Eu risquei a prova com força, eu não consegui me controlar, eu chorei e eu saí com os olhos inchados. Eu nunca me senti tão burra como me sinto nesse um ano que estou na UFBA. Um ano que se completa hoje inclusive. E assim que eu estou comemorando. Com um gosto amargo na boca, com essa sensação terrível de ser burra, cada vez mais burra. É uma disciplina pesada, com muitos conteúdos, muitos nomezinhos e conceitos confusos, muitas vezes até bem parecidos. É mais um desafio que perco, mas no entanto sei que justamente pela matéria ser assim, um exercício poderia ter sido feito antes para ajudar, mas enfim, não vou ficar culpando ninguém, nem mesmo a mim.



Rafaela Valverde

domingo, 23 de outubro de 2016

Desperdício no RU da UFBA


Observando os pratos recém utilizados no Restaurante Universitário da UFBA chamado carinhosamente de RU, eu percebo o quanto a gente desperdiça comida. É muita comida no lixo! Imagine que são servidas mil e duzentas refeições nos dois horários desse RU. No almoço e no jantar. E a maioria, ou uma boa parte dessas pessoas que são servidas, joguem restos fora. Pequenas porções que não seriam bem vindas no estômago, que encheriam demais a barriga.

Ninguém se importa, ninguém observa, mas de resto em resto devem ser toneladas de comida no lixo todos os dias. Comida que é demais para uns e escassa para outros. Não há, ou pelo menos eu não vejo ou sei de alguma campanha da universidade ou da escola de nutrição contra o desperdício de alimentos. Fora que se a comida fosse um pouco mais gostosinha os alunos comeriam melhor. E se os próprios alunos servissem a comida - que hoje é servida pelas atendentes -  reduziria, ao meu ver o desperdício que é bem grande.

Eu vejo muitas pessoas, muitas mesmo com restos de comidas nos pratos e isso me dá uma dor no coração. Eu não gosto de desperdiçar comida e não gosto de ver ninguém desperdiçando comida. Creio que ações simples poderiam evitar tanto desperdício. O Brasil é um dos países do mundo que mais jogam comida fora e ao mesmo tempo um dos maiores em número de fome. Há um paradoxo já conhecido, mas ninguém faz nada.

É isso, eu tenho que lidar com a minha impotência com algo que parece ser tão simples mas não é. É grave. É um problema que se minimizaria com ações simples. Mas que não interessam. Não interessam por quê? Cada um de nós pode simplesmente comer a comida toda ou pedir para as moças que servem não colocarem tanta comida, ou ainda pode colocar menos salada ou não pegar a fruta que é servida como sobremesa. Eu já vi gente jogando salada e fruta fora sendo que esses dois itens são os alunos que se servem, tendo a opção de pegar ou não. Eu acho uma falta de consciência pegar só para jogar fora. É um egoísmo, uma falta de bom senso. Se não vai comer, não sirva e não jogue comida fora!



Rafaela Valverde

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Terapia


Comecei a fazer terapia. Finalmente. Sabia que precisava há muito tempo. Após uma série de desabafos de alunos da UFBA veiculados na mídia, falando sobre o mal estar que vivemos hoje na universidade, onde vivemos atolados e infelizes; surgiram várias iniciativas para terapias para nós alunos. Uma delas foi lá mesmo, na UFBA.

É uma terapia em grupo, com um psicólogo formado pela UFBA. O grupo inicialmente seria de dez pessoas mas estamos em seis. Já no primeiro dia, me fez muito bem ver aquelas pessoas passando por quase as mesmas coisas que eu venho passando. Sabe, de repente a gente deixa de achar que a culpa é nossa por não estar suportando e percebe que há uma instância maior, que atinge muitos alunos.

A gente não tem tempo para fazer quase nada do que a gente gosta no decorrer do semestre. A gente não conta com compreensão e flexibilização por parte de alguns professores. A gente tem que lidar com prepotência e desorganização. A gente praticamente não têm férias. A gente acaba odiando tudo isso. A gente odeia a área que a gente ama, a gente odeia ir às aulas, a gente odeia as pessoas. Tudo.

A gente só quer se formar logo. E assim tem gente lá do grupo que pega nove, sim eu disse nove disciplinas para poder terminar e se livrar logo. Isso é um sofrimento, é opressor. A gente passa até 12 horas dentro da universidade, a gente perde o prazer de fazer outras coisas, de fazer coisas que a gente gosta. A gente não têm mais tempo, na verdade. A gente pensa: "com tantas coisas para fazer, eu tô aqui vendo série, ou aqui vendo o pôr do sol."

É triste, é tenso. Mas estou conseguindo me libertar um pouco disso. Decidi que enquanto eu estiver sem trabalhar eu não vou estudar aos finais de semana e feriados, eu vou me organizando durante a semana e por enquanto está dando certo. Fico a semana toda atolada, mas consigo. Uma outra atitude que estou tomando para descansar a minha mente de toda essa agonia é ver um episódio da série que estou assistindo por dia. Ler outros assuntos, escrever, ouvir música, mesmo que seja no ônibus ajuda bastante. A nossa mente merece, o nosso corpo merece. Não dá para trabalhar o tempo todo, cumprir prazos o tempo todo e viver no standy by, no automático, sempre cansada, só sobrevivendo ao invés de viver plenamente.



Rafaela Valverde

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Me desprendendo ao som dos pássaros

Biblioteca Central da UFBA - Ondina
Quando eu saio dos prendedores de concreto da UFBA e ando ao ar livre fico cega com a claridade natural, a luz do dia - e não a luz seca das lâmpadas fluorescentes. Fico meio surda com o canto dos pássaros. Sim, lá tem pássaros. E sim, é possível sentir paz na UFBA. Me desprendo quando vou ao ar livre. Saio da dureza do prédio com ar condicionado e cores cinzas.

Mesmo cega, consigo dançar ao som dos pássaros. Não estou tão surda assim, consigo enxergar a beleza da cena e escuto muito bem a melodia. É um momento curto até o novo concreto: a biblioteca. Assim, preciso aproveitar a música. São cantos diferentes, de pássaros diferentes. Mas os cantos combinam, as músicas se casam. Assim como eu e esse ar livre. Um ar não viciado pelo mofo e pelo condicionamento artificial.

Me sinto mais relaxada e até levanto o rosto para sentir o calor do mormaço e a luz na cara, mas ainda assim, não tem jeito, acontece o que eu temia, acabou minha alegria. Cheguei na biblioteca, outro prendedor, mais concreto, mais cinza, mais artificialidade. Estamos fadados a viver em prendedores. A viver em prédios sufocantes. Estamos condenados a perder o canto dos pássaros.

Mas eu, faço questão de aproveitar esses pequenos momentos de transição entre um prédio e outro. Isso é felicidade, isso relaxa. Esses são os momentos de banho de sol em plena cadeia de detenção média em que vivemos.


Rafaela Valverde

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A menina das telas


Estou sem as minhas telas. Meu celular e meu tablet deram pau ao mesmo tempo e ambos já estão no conserto. Mas eu cheguei a conclusão que sou a menina das telas. Gosto sim de estar cercada por telas. Nem eu sabia disso. Mas quero as telas que eu possa ter e que o dinheiro (o pouco que eu tenho) possa me oferecer.

Eu sinto falta do meu celular o tempo todo e até fiquei meio jururu. Primeiro pelo prejuízo, especialmente quandro os dois quebraram ao mesmo tempo e segundo por que sinto falta dele, simplesmente. Estou carente. Fico procurando. Às vezes vou me deitar e procuro o celular para dar uma última olhadinha no Facebook antes de dormir. E já acordo pensando em pegar meu celular. Ele despertava para eu acordar e era a primeira coisa que eu fazia ao acordar era tocar nele, é claro. E depois ligava o wifi.

Não sei até que ponto isso é prejudicial ou não, mas hoje estamos mais que inseridos nesse mundo das telas. Eu adoro tablet. Tablet é uma coisa mágica, parece até do capeta! rsrsrs É sério, eu fazia quase tudo pelo tablet. Acessava meu e-mail, internet em geral, via minhas séries e filmes; lia textos da faculdade - é uma mão na roda e foi por isso que eu comprei - lia livros, etc, etc, etc. Foi o segundo tablet que eu tive e esse foi com meu dinheiro, sabe? O outro foi presente. E eu adoro tablet mesmo.

Eu até pensei em comprar um kindle que é um leitor de livros on line ou PDF da Amazon. Mas apesar da qualidade comprovada, da boa leitura que oferece eu prefiro mesmo um tablet que até mesmo tira foto. Enfim, parece que não tenho muita sorte com esses aparelhos, pois quebram. Sempre quebram. Eles não gostam de mim. Meu notebook quebrou há uns anos, já foi consertado e quebrou de novo.

Eu não gosto muito de consertar aparelhos, sou mais de ir lá e comprar outro. Se tiver grana, é claro. Como não tenho, não estou tendo, então fico sem mesmo. Eu adoro comprar celular. Estava pensando nisso essa semana. Sim, eu adoro comprar celular. Aquela sensação de tirar da caixa, ver o aparelho novinho, aprender a usar... é gostoso. E consumista! Eu sei, mas ainda assim se eu pudesse eu comprava um celular por ano. É isso, sou a menina das telas.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A situação da UFBA com os cortes anunciados pelo MEC

Imagem da internet


A mera manutenção do teto seria insuficiente
O Ministério da Educação encaminhou proposta de orçamento para as Universidades Federais para a elaboração do Projeto da Lei Orçamentária Anual, PLOA2017. Os valores apresentados implicam significativa redução dos limites em comparação com o orçamento de 2016. Os números podem variar de instituição a instituição, mas acarretam diminuição da ordem de 19% do orçamento de custeio, podendo chegar, em certos casos, a 45% de redução em investimento, ou seja, em obras e em recursos de capital.
 Caso se concretize essa redução orçamentária, a rede de ensino superior público federal pode enfrentar uma crise profunda, capaz de ameaçar-lhe a estabilidade administrativa e a qualidade acadêmica. Nossas instituições estarão impossibilitadas de, na proporção exigida por suas atividades fins e suas respectivas dimensões, propiciar a manutenção regular e adequada de sua infraestrutura e das ações de ensino, pesquisa e extensão, manter e aprofundar políticas de inclusão e assistência aos estudantes em situação de vulnerabilidade, garantir as condições de segurança do patrimônio e da comunidade universitária, honrar ou preservar os contratos atuais de prestação de serviços, prosseguir com o investimento necessário em equipamentos, concluir obras paradas ou em andamento, compensar com seu próprio orçamento cortes que estão sendo praticados por outros órgãos federais, a exemplo, recentemente, de bolsas pelo CNPq e do custeio da pós-graduação pela CAPES.
A Universidade Federal da Bahia, especificamente, pode vir a ser atingida nos seguintes itens:
1.      Recursos para o funcionamento e manutenção (custeio) da UFBA reduzidos em 19% na PLOA 2017 em relação ao ano de 2016, afetando serviços de limpeza, portaria, vigilância, transporte, etc.;
2.      Redução da ordem de 25,4% nos recursos de capital, inviabilizando a continuidade ou a conclusão de obras fundamentais para a Universidade, bem como a reposição de equipamentos de informática, elevadores, entre outros;
3.      Corte proposto no PROEXT-MEC de 49% para a UFBA, restringindo programas de extensão essenciais à formação de profissionais socialmente comprometidos;
4.      Corte de 2,7% em programas de assistência estudantil, que são essenciais e cuja demanda só pode ser crescente em uma universidade como a UFBA, que há 10 anos implantou uma ampla política de cotas e na qual 20% dos estudantes se encontram em situação de vulnerabilidade;
5.      Supressão da rubrica do Programa Mais Médicos, programa vinculado à manutenção dos hospitais universitários e à implantação de novas escolas médicas, visando a superar dificuldades da assistência pública à saúde e do SUS.
Nesse cenário, a regularização orçamentária alcançada pela UFBA ao início de 2016 será comprometida, o que tanto pode descontinuar iniciativas exitosas de nossa história, quanto comprometer nosso futuro como um lugar de realização dos valores universais de produção do conhecimento e de gestão democrática dos interesses públicos relacionados à formação de cidadãos, às ciências e às artes.
A Universidade Federal da Bahia tem hoje uma grande dimensão, com sua população de quase 50 mil pessoas, entre estudantes, docentes, técnicos e terceirizados. Além de polo de ensino, pesquisa e extensão de qualidade, a UFBA teve, no contexto da expansão do ensino superior público, expressivo aumento do número de estudantes de graduação, passando de 24.367 em 2008 para 33.798 em 2015, e de 3.116 para 5.379 estudantes de pós-graduação no mesmo período, tendo sido abertos vinte e nove cursos noturnos de graduação entre 2008 e 2015.
É um fato consabido que, em face dessa grande dimensão e do nosso compromisso com a qualidade acadêmica, o orçamento da UFBA encontra-se bastante defasado. Desse modo, tendo em conta esse aspecto e, ademais, os reajustes contratuais obrigatórios, a própria inflação, a necessidade de recursos para a conclusão de obras inacabadas ou em andamento, além das despesas adicionais decorrentes do funcionamento de novos prédios (a exemplo da recém-inaugurada Biblioteca de Ciências e Tecnologia Omar Catunda), a simples manutenção do atual teto orçamentário já implicaria uma restrição severa para a UFBA. Em sendo assim, se a mera manutenção do teto seria insuficiente, uma redução qualquer é inaceitável.
É verdade que enfrentamos contingenciamentos e cortes nos dois últimos anos. Enquanto estiveram vigentes, tiveram impacto bastante negativo; e a UFBA, com claro sucesso, lutou contra eles. Entretanto, um orçamento diminuído é algo mais grave, pois significa consolidar em lei o que antes fora circunstância adversa. Com isso, contratos de serviços continuados teriam que ser reajustados à disponibilidade orçamentária, o que poderá significar uma redução danosa e indesejável de serviços essenciais, defrontando-nos de modo abrupto e terminante com restrições fiscais talvez inamovíveis e cujo impacto, nesse caso, será de longa duração.
Há, porém, tempo hábil para reverter esse grave equívoco. A Reitoria da UFBA vem assim apelar aos parlamentares que vão examinar e decidir sobre essa matéria; vem apelar, em especial, aos parlamentares da bancada baiana, que tão bem conhecem a UFBA e as demais instituições federais de ensino do nosso Estado, de modo que, sensíveis à importância estratégica das universidades públicas, não permitam o comprometimento de conquistas da sociedade brasileira, nem que sejamos compelidos a soluções que atinjam os próprios fundamentos de nossa estrutura acadêmica e o cumprimento de nossa missão.
Nossa sociedade tem o dever de escapar às premissas desse dilema. Afinal, nossas instituições não podem ser constrangidas a fazer cortes que lhes sacrifiquem a qualidade ou lhes comprometam obrigações, nem devem ser levadas, à força, a saídas que maculem suas notas características mais essenciais, contidas no compromisso do Estado brasileiro com o ensino superior público, gratuito, inclusivo e de elevada qualidade.
Reitoria da Universidade Federal da Bahia


Obs: Recebi esse texto por e-mail. Uma professora quem mandou. Nossa situação política não é fácil e a atual conjuntura exige reivindicação e luta, mas confesso que em alguns casos não sabemos como lutar. É revoltante! FORA TEMER! AÍ NÃO É O SEU LUGAR! Espero que tenhamos um futuro melhor, viu?

Rafaela Valverde

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Sociolinguística

Imagem da internet
A partir dos anos 1960 os estudos linguísticos passaram a se interessar também por questões relacionadas à sociologia. A sociolinguística nasceu da preocupação com áreas como a antropologia, sociologia, psicologia relacionadas à linguagem e à sociedade. O termo sociolinguística surgiu em 1964 em um congresso organizado poe William Bright em Los Angeles. Porém, antes no início do século XX, já haviam iniciado os estudos e a preocupação com os temas e suas relações.

William Labov reage às ideias de Chomsky sobre a ausência de componentes sociais em seu modelo gerativo. Labov insiste na relação entre língua e sociedade e na possibilidade de sistematização da língua falada. Em 1963 ele publicou um trabalho que destacava fatores  sociais para entender as variações linguísticas. Esses fatores poderiam ser  idade, sexo, ocupação, origem étnica entre outros.

A língua falada é heterogênea e diversa. E é a língua falada, sua observação, discussão e descrição e  análise das situações reais, se torna o objeto de estudo da sociolinguística. Assim é estudado que cada comunidade linguística utiliza maneiras diferenciadas para falar. Essas diferenças são chamadas de variedades linguísticas. O conjunto de variedades utilizadas  em uma comunidade é o repertório e as variações podem estar inseridas nos planos diacrônico (histórico) e sincrônico (época determinada ou atual).

Há diferenças no português falado nas regiões brasileiras. Essas diferenças podem ser lexicais, fonéticas, fonológicas, sintáticas e morfossintáticas. As variações podem se relacionar ao lugar ou região (variação diatópica), à formalidade da situação de fala (variação diafásica) e a aspectos socioeconômicos, escolaridade e contexto social (variação diastrática).

Cada variação pode ocorrer em uma região do país por exemplo. Ou mais de uma. Vai depender da comunidade em que os falantes estejam inseridos. A variação é inerente às línguas naturais segundo a sociolinguística, por isso é inevitável que uma língua natural falada não tenha variação. A gramática normativa nega essas variações e  prescreve que falamos exatamente como escrevemos.

Daí pode se abordar o preconceito linguístico, já que as gramáticas normativas são feitas pela elite que exige que falemos como eles acham que é o português certo e bonito. Com isso as variação diastrática e diatópica, que são relacionadas à questão das classe sociais e de lugares menos abastados são a mais tolhida pela "elite" . Ou seja, para a classe dominante quem fala "errado" são as pessoas pobres, sem educação, desempregadas e que moram na periferia ou na região Nordeste. Porém a SL não considera variações como agramaticais, ao contrário, nossas variações de cada dia são inteligíveis e nós como professores temos obrigação de mostrar aos nossos alunos que existem diferenças linguísticas e que não há quem fale certo ou errado, melhor ou pior. Os alunos não podem ser menosprezados por suas variantes e sim devem ser conscientizados sobre a adequação a depender de onde eles estejam.



Rafaela Valverde


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Como não enlouquecer com tantas obrigações? Aprendendo a desacelerar...

Imagem da internet
A gente vive correndo. Corre, corre e anda. Luta contra o tempo e quando percebe o tempo já passou. Quando a gente se dá conta o ano já acabou e lá vêm as luzes irritantes de natal. A gente faz exercício fala sobre astrologia, bebe num barzinho com amigos, estuda, trabalha, dorme pouco, cumpre a promessa de vida que recebemos ao nascer.

De repente a gente passa a observar com mais detalhes as vidas dos outros. As pessoas correm. Todas elas. Ainda que os objetivos sejam diferentes está todo mundo meio que no mesmo barco. De repente aquela fulaninha que era totalmente o oposto da gente na escola, e se escondia atrás da cara de santa, decide levar uma vida meramente tradicional que não condiz exatamente com a imagem que fazíamos dela.

É claro que ninguém fica para sempre com ideias de quando tinha 15, 16 anos. As pessoas mudam o tempo todo. Nós mudamos e essa é, para mim, uma boa característica, principalmente se for para melhor. Mas o que eu falo é sobre a pressão que temos de levar vidas padronizadas e tradicionais. Namorar anos com a mesma pessoa, se formar, noivar, casar, depois filhos... Sempre nesse ordem cronológica.

Uma ordem ditada por quem? Por todos. Somos pressionados desde que saímos da adolescência. Somos ejetados para a vida adulta cheios de obrigações e prazos que temos que cumprir antes dos 30, ou seja em menos de dez anos. O que será que as pessoas estão pensando ao tratar seus filhos assim? Em tratar gente jovem assim? Como se fossem seus capachos!

O resultado de tudo isso é a formação de jovens cansados, colunas idosas, doenças psíquicas, pânico, ansiedade, suicídios... É isso o que a gente tem passado correndo todos os dias, dormindo quatro, cinco horas. Começando o dia muito cedo e terminando muito tarde devido as milhares de obrigações que somos obrigados a abarcar. Sem reflexão, sem crítica e em alguns casos sem ética.

Alguns podem dizer que nossa vida mudou muito em relação aos jovens de gerações passadas. Hoje temos tecnologia e muitas facilidades. Mas se vocês soubessem o ônus disso tudo. Nós vivemos cansados, a gente dorme mas não descansa, a gente vive correndo e não olha mais para o outro. E não é de propósito, simplesmente TEMOS QUE CORRER! Senão não dá tempo. Não há flexibilidade de nenhum lado, principalmente da universidade que continua tratando os atuais estudantes como os de antigamente. Eram muito poucos e em sua maioria não precisam trabalhar ou não tinham tanta concorrência. Não precisavam se acabar tanto. Sinceramente: eu sei que hoje a gente têm mais obrigações do que as que vocês tinham. Trabalho, estágio, Iniciação Científica, TCC, curso de línguas, vida social, visita à casa de parentes, mestrado, teses, trabalhos, seminários, milhares de textos, prazos, pressão, pressão... Olheiras, cansaço mental, esquecimento, café, drogas para dormir, drogas para se manter de pé! E ainda temos que ter opiniões e ser engajados. Ah faça me um favor!

Hoje depois de um desabafo em sala de aula uma professora conversou comigo e me questionou se realmente vale a pena se acabar tanto para cumprir todos os prazos que a sociedade e a vida exigem. Ela argumentou com literatura, com a experiência de vida que ela tem e com o oposto que ela é, já que ela sempre foi certinha e cumpridora de tudo. O que eu aprendi hoje é que não adianta tentar abarcar tudo com as nossas pequenas mãos. Alguma coisa sempre vai ficar de fora. E é bom que fique, nossa sanidade mental agradece.

Hoje cheguei em casa e relaxei. Comi um balde de pipoca vendo minha série atual decidi arrumar parte do meu guarda roupa que estava um caos. Sim, o meu quarto, os meus pertences estavam uma bagunça por causa de todas as minhas obrigações acadêmicas. Mas hoje eu decidi dar um basta e relaxei. Nada mais vai tirar a  minha paz, se não der para estudar tudo ou entregar tudo eu não o farei. Eu só não posso enlouquecer como estava fazendo nos últimos dias por causa das inúmeras atividades que tenho!




Rafaela Valverde

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Sinais de pontuação

Imagem da internet
Hoje vou falar um pouco sobre pontuação. Muitas pessoas se atrapalham com pontuação, principalmente com vírgulas, ponto e vírgula, etc. Pois bem, os sinais gráficos de pontuação expressam, os ritmos e melodias característicos da língua oral na língua escrita. Os sinais estabelecem pausas e entonações do que seria falado, só que na escrita. Servem para separar palavras, expressões e orações que devem ser destacadas e ainda ajudam no esclarecimento de sentido de frases, afastando quaisquer ambiguidades. 

Vírgula
Indica uma pausa pequena que exige continuação. A vírgula pode ser usada em datas, para separar o nome da localidade; após os advérbios "sim" ou "não", usados como resposta no início da frase; após saudação de correspondência; para separar termos de uma mesma função sintática; A vírgula serve ainda  para destacar elementos como conjunção, adjunto adverbial, vocativo, aposto, etc. Pode substituir um travessão em expressões explicativas e muitas outras funções.

Ponto
 Indica o término do discurso ou de parte dele e geralmente indica uma pausa um pouco maior do que a vírgula. Usa- se ponto também em abreviações.

Ponto e vírgula
Separa partes de um discurso com uma mesma importância. O ponto e vírgula é um sinal intermediário entre o ponto e a vírgula. Ele separa partes de frases que já estão separadas por vírgulas e pode ser usado para separar itens em uma lista ou enumeração.

Dois pontos
Os dois pontos, um em cima do outro podem ser usados antes de uma citação, antes de um aposto, antes de uma explicação ou esclarecimento, em frases de estilo direto. Dois pontos, eu costumo dizer, deixam o leitor em alerta, esperando alguma coisa.

Ponto de exclamação
É usado para indicar entonação de surpresa, cólera, susto, súplica, etc. Os pontos de exclamação também podem ser usados depois de interjeições ou vocativos.

Ponto de interrogação
Como o próprio nome já diz, esse sinal indica interrogação, questionamento ou simplesmente pergunta. É usado em interrogações diretas ou indiretas.

Reticências
As reticências indicam que palavras foram suprimidas, indica também interrupção violenta da frase, hesitação ou dúvida. As reticências podem ainda demonstrar que o sentido vai além do que está sendo dito na frase, pode indicar as entrelinhas.

Aspas
São usadas para indicar citação de alguém ou de alguma obra e expressões estrangeiras, neologismos, gírias, etc.

Parênteses
São usados quando se quer explicar melhor algo que foi dito ou para fazer simples indicações.

Travessões
Indica mudança de interlocutor em um diálogo. Separa orações intercaladas, desempenhando funções  das vírgulas e dos parênteses. Travessão evidencia uma frase, expressão ou palavras.


Rafaela Valverde

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Enel 2016 em Brasília, eu fui!

Pessoas lindas que conheci em Brasília
Brasília foi incrível. Conheci pessoas maravilhosas que com certeza ficarão para sempre em minha vida. Sim, eu fiz amigos! E de pensar que levei dois livros achando que seria a louca solitária sem amigos durante uma semana em uma cidade desconhecida! Quem diria que eu ia me enturmar, que eu seria tão bem acolhida por uma galera incrível? Nem tenho como agradecer a Deus pelas pessoas que Ele às vezes coloca em minha vida.

Pois bem, fiz amigos, me diverti, assisti palestras e comunicações acadêmicas, especialmente voltadas para a literatura; dei muita risada, dancei nas festas, comi bem, conheci Brasília. Foi muito bom! O clima da cidade é meio louco. É seco, faz muito frio à noite e dormimos em barracas, mas ainda assim eu gostei bastante dessa semana que passei lá.

Encontros de estudantes são sempre bons, apesar de ser mal vistos por professores rola bastante discussão sobre os cursos que fazemos, sobre a carreira e sobre assuntos concernentes à universidade. Só que são discussões leves, de forma descontraída, fora do ambiente sisudo acadêmico e ainda com muita festa e farra. É isso. Planejei essa viagem desde março e ela aconteceu, sendo melhor que o esperado. Já quero o EBEL, Encontro Baiano de Estudantes de Letras que será em Santo Antônio de Jesus aqui mesmo na Bahia.




Rafaela Valverde

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Enel 2016 em Brasília

Imagem da internet
Gente eu estou numa correria terrível e estarei viajando no sábado de manhã para Brasília para participar do ENEL 2016 na UNB. Só estarei em Salvador no domingo dia 31/07. Portanto ficarei ausente do blog por esses dias. Mas em breve volto com textos voltados para a área de Letras, Literatura, cabelo e as novidades da viagem. Bem é isso. Um até logo!




Rafaela Valverde

terça-feira, 12 de julho de 2016

Seu mestrado e doutorado não te fazem melhor que eu

Imagem da internet
Alguns dos que se intitulam os melhores e maiores professores, mestres e doutores, que acham que têm todo o conhecimento e a gente até se sente intimidado em falar alguma coisa que os desagrade estão destruindo nossa sanidade dentro das universidades. Principalmente nas universidades públicas, onde o tempo de casa, titulação e estabilidade não lhe impõem medo. Afinal, dentro das instituições públicas não há a preocupação de perder o emprego. Pelo menos na maioria das vezes.

Isso porque em alguns casos o professor tem uma contratação toda remendada e mal explicada e ainda assim se acha o rei da cocada preta. A empáfia sai pelos poros desses professores e eles quase entregam que foram os Cu De Ferro da época da escola. Bem, pelo jeito algo mais contém ferro no corpo desses indivíduos, devido ao tamanho da dureza e inflexibilidade que são traços típicos de suas atitudes em sala de aula.

É claro que não são todos, eu não estou aqui generalizando. E nem estou querendo dizer que esses professores que agem assim são pessoas ruins nas suas vidas pessoais. A questão aqui é o comportamento dentro do ambiente de endeusamento que pode ser o ambiente universitário algumas vezes. Afinal de contas, a maioria daqueles alunos sentados ali não sabem nada mesmo, em muitos casos acabaram de sair do ensino médio e encontram professores com doutorado fora do país e pós doc em arrogância.

Aliás sabe o que significa a palavra aluno? Significa sem luz, sem conhecimento, sem saberes, uma tábula rasa como diria Locke. Mas enfim, voltando aos tchuc tchuc fofos dos professores que encontramos por aí a fora que arrotam saber tudo mas vão para debaixo da terra como todos nós. Que não cumprimentam funcionários mas querem respeito incondicional do seu aluno.

O estudante coitado já tão pressionado, pobre, com milhões de coisas para ler e trezentas xerox para tirar, filas, trabalhos, prazos, pesquisas, aulas e tantas outras demandas, têm que se virar nos trinta muitas vezes simplesmente porque o professor não pode e não quer se dar ao trabalho de mudar algumas práticas didáticas abusivas e carniceiras. Mesmo só tendo aquele trabalho, aquela pesquisa, aquele tudo. Tudo é o mesmo tema e é para uma cabeça já madura. Enquanto nós alunos estamos perdidos e confusos sem ao menos apreender direito por que tem que dar conta de tudo e é muito, muito mesmo.

Essas práticas didáticas são anacrônicas, têm cabresto. O professor é antiquado, não escuta sugestões e parece que tem um prazer sádico em fazer o aluno sofrer. Eu até sinto um risinho no canto da boca de alguns, um prazer quase orgástico em ver o aluno se acabando. Afinal com ele também foi assim, ele também se acabou não é mesmo? Por que esse aluno tem que ficar de boa com apenas um texto por vez? Não! Agora é a hora da vingança.

Aliás alguns professores, além de não terem nenhuma didática e parecer estarem falando suas teorias consigo mesmo, esquecem que já foram alunos. E talvez há não tanto tempo assim, viu? Muitos professores são jovens, acabados de sair do mestrado, ou nem saídos e já se contaminaram com esse bichinho. O bichinho da crueldade que vem fazendo alunos pirarem e odiarem o ambiente acadêmico.

Como se já não bastasse toda a situação de pressão, todas as demandas e atividades, o estudante tem que chegar no horário, atrasos são inadmissíveis, por que eles já andaram de ônibus, mas agora têm carro então que se dane o idiota- sabe-nada que está vindo para essa universidade todos os dias. Eles acham que a universidade é o reino deles, afinal mestrado e doutorado dá coroa né? NÃO! Nem educação doméstica e humanidade!



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...